Ribeiro e Castro “fears” Paulo Portas

O ainda líder do CDS, Ribeiro e Castro, diz que não tem medo de enfrentar Portas em eleições directas, mas que essa é uma reforma para o futuro. Agora, o caminho deverá ser ir a votos em congresso. O “campo” de Portas insiste que o curso para a escolha do novo líder deverá ser pelas directas, e fará todas as pressões necessárias para o conseguir.

Ora, aquilo que Ribeiro e Castro sabe, e todos nós, é que o CDS/PP é o partido de Portas, isto é, é dele. Quando Portas se demitiu após a catástrofe das últimas eleições deixou um lugar muito complicado para preencher. O CDS é um partido muito pequeno, com um cada vez mais diminuto eleitorado fiel. Durante os sete anos em que liderou os destinos do partido, Portas consumiu o partido. Reduziu-o a ele. A mudança de nome para PP diz tudo – quer se leia como “Partido Popular” ou “Paulo Portas”.

Quando um partido tão pequeno tem um líder tão mediático, o mais natural é que a sua ausência cause perturbação no seu seio. E foi o que aconteceu ao CDS. Sem Portas, que outra figura se apresentava como capaz de liderar o partido durante a dura tarefa de o reposicionar no espectro político? Telmo Correia teria sido a escolha natural. Porém, o antigo ministro do turismo foi demasiado passivo e lento na criação de laços com os membros do partido. Quem não teve esse problema foi Ribeiro e Castro que passou de deputado europeu convidado a estar presente no Congresso a líder do partido.

O seu discurso forte e populista atraiu as bases do partido. Seguiram-no. Mas, o estado de graça de Ribeiro e Castro foi curto. Demasiado curto. Ele não tinha assento parlamentar. Por isso, a oposição que iria fazer era aquela que as televisões lhe permitissem. Por outro lado, o grupo parlamentar do partido – do qual Portas faz parte – não seguia o novo líder, sendo o porta-voz do grupo, Nuno Melo, um dos principais saudosistas de Portas.

Mas a sua maior dificuldade foi o facto de estar longe de Lisboa. Não estando em no parlamento, como poderia passar a imagem para os seus partidários de que estava em cima do governo? De que estava a contestar directamente, olhos nos olhos, Sócrates? Como garantir que era levado a sério? Um líder político que não está na Assembleia é quase como se não existisse. Se já no hemiciclo é difícil contrariar Sócrates – Marques Mendes que o diga – fora dele é quase impossível.

Mas nem tudo foi mau. O CDS foi à boleia de Cavaco e lá “ganhou” as presidenciais e foi o único partido de direita a declarar-se contra o aborto – sendo, no entanto duvidoso dizer-se que todos os votos do não foram obra do CDS nem que todo o eleitorado CDS votou não. Porém, a polémica envolvendo a demissão de Nuno Melo do cargo de líder do grupo parlamentar, associado ao constante zum zum de que Portas se estaria a mexer no sentido de voltar à política activa, levaram à insegurança da liderança de Ribeiro e Castro.

Diz a história que nenhum líder do partido foi batido em Congresso. Tenho sérias dúvidas que essa tendência se continue a verificar desta vez, quer se opte pelas directas, quer se vá pelo dito congresso.
O facto é que o mais provável é que Ribeiro e Castro entre para a história do partido como “aquele” que o aguentou durante os anos de férias de Portas, sem quaisquer reformas ideológicas ou estruturais de vulto que justifiquem a sua marca no partido azul e amarelo. E, depois de Portas voltar a tomar o partido, pode ser que a direita tenha, por fim, uma voz no parlamento. Talvez.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Política. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s