JFK – O político perfeito?

jfk.gif

Nascido a 29 de Maio de 1917 no estado do Massachusetts – EUA – e descendente de irlandeses, John F. Kennedy viria a tornar-se num autêntica lenda da política americana e mundial.

Depois de servir o exército americano em Guadalcanal durante a II Guerra Mundial, entrou para o Partido Democrata e, em 1946 foi eleito para servir o Estado e o partido como deputado federal. Em 1952 entra para o Senado, casando-se pouco depois com Jacqueline Bouvier. São desse tempo duas operações de correcção à coluna vertebral que quase o mataram. Kennedy recebeu por duas vezes a extrema-unção.

Em 1960 anuncia a sua candidatura à Casa Branca. Nas eleições mais renhidas da história, ganha lugar ao até então vice-presidente, Richard M. Nixon, e torna-se no trigésimo quinto presidente, com mais 70 000 votos correspondentes a 50.00000001 por cento dos votos.

O início da presidência de Kennedy é algo atribulado, principalmente nas questões de política externa. A, falhada, invasão de Cuba apoiada pela CIA é um rude golpe mas o facto de assumir a responsabilidade pelo sucedido aumenta a sua popularidade. Após o seu primeiro encontro com Nikita Krushchov, este último manda construir o muro de Berlim. A crise dos mísseis de Cuba em 1962 é outro momento complicado mas que Kennedy consegue contornar, começando aí a ganhar a admiração Mundial.

Internamente as coisas sempre lhe correram melhor. A economia crescia e o país estava melhor. Excepção feita ao Sul, onde as tensões racistas continuavam a verificar-se e a incrementar.

Após Gagarine ter completado uma órbita em torno da Terra, Kennedy anuncia o desejo americano de chegar à lua. De ser um americano o primeiro homem a pisar a lua. Quando os mais cépticos lhe criticavam e duvidavam da concretização do projecto, ele respondeu: “Nós decidimos ir a Lua. Nós decidimos ir a Lua nesta década e fazer as outras coisas, não porque elas são fáceis, mas porque elas são difíceis”.

Em 1963 a recandidatura era uma certeza. A única espinha era o Texas, estado natural do vice-presidente Johnson que mesmo assim não conseguia contribuir para a vitória de Kennedy nesse estado de capital importância. Assim, Kennedy decidiu viajar até ao Texas para uma viagem de dois dias. Após visitar San Antonio, Houston e Fort Worth, chega a Dallas a 22 de Novembro. Enquanto desfilava pela cidade num automóvel descapotável é atingido com dois tiros, um no pescoço e outro na cabeça – fatal. Kennedy morreu 30 minutos depois.

O seu assassino foi Lee Harvey Oswald, um antigo marine. Nunca se percebeu por que razão o fez porque a 24 de Novembro foi assassinado por Jack Ruby, um conhecido criminoso com ligações à máfia e uma doença terminal. Exactamente pelas circunstâncias da morte, a memória de Kennedy foi mistificada e é venerada por todos, sendo relembrado com pesar por amigos e adversários.

O facto é que Kennedy marcou uma nova forma de fazer política. Depois dele nada voltou a ser como era. Se não tivesse morrido em Dallas, o que teria acontecido? Será que a Guerra-Fria teria terminado mais cedo? Viveríamos numa sociedade mais pacífica?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Eclipses, Política, Sociedade. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s