Ainda não foi desta

200px-mulholland.pngVi-o quando saiu. Vi-o há dois anos atrás. Vi-o há dois dias atrás. E não, ainda não o percebo.

Falo, obviamente, de “Mulholland Drive”, filme de David Lynch do qual a maior parte das pessoas apenas se lembra da escaldante e extremamente erótica cena entre Naomi Watts e Laura Elena Harring. De resto, quase ninguém percebe do que o filme trata.

E, neste capítulo, nem os tão apregoados críticos de cinema nos podem ajudar. Cada um com a sua opinião, apenas convergindo num aspecto: o filme é bom, mesmo se não o entendermos.

É claro que percebo algumas coisas, como o facto de “Rita” ser na verdade “Camila”, amante de “Diane” que depois se apresenta como “Betty” mas que, antes de tudo isso, decide contratar alguém para matar a mulher pela qual estava apaixonada pelo simples facto de ela se ir casar com um realizador de cinema, Adam. Só que, algumas coisas correm mal e Camila consegue fugir. Mas não escapa a uma amnésia. Reencontra Diane, mas não a reconhece. Esta diz-lhe que se chama Betty e leva-a a confiar nela.

Mas a essência do filme continua a ser algo que eu não domino. Será que tudo, ou pelo menos os primeiros dois terços do filme, não passa de um sonho de Diane/Betty? Ainda não posso dizer convictamente que domino o filme, como domino o “Braveheart” – “They may take our lives, but they’ll never take our freedom!

Vou esperar mais alguns anos e vou voltar a ver. Talvez depois consiga compreender todo esse universo. Aliás, também não é a primeira vez que não percebo uma obra de Lynch à primeira. “Twin Peaks” também foi um mistério durante alguns anos. Mas, visto à luz dos meus 17, 18 anos finalmente consegui descobrir quem matou Laura Palmer. Vocês já?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em TV & Cinema. ligação permanente.

3 respostas a Ainda não foi desta

  1. Liliana Pacheco diz:

    Adoro o Mulholland Drive, já perdi a conta às vezes que o vi.
    Adoro também a Naomi Watts.
    E gosto muito do David Lynch, porque – ou apesar – de nunca compreender muito bem as suas obras.
    E tendo seguido o Twin Peaks, nunca descobri quem matou a Laura Palmer 😀 .

    Mas acho que também não quero saber, é o mistério que me fascina no Lynch. Vamos rezar para que o seu novo filme chague às salas, ou então esperamos que apareça pelo cineclube 😉 .

    Um beijinho***

  2. Não quero ser alarmista, mas penso que é o principal propósito do Lynch – mais aqui que em Twin Peaks, ou em The Elephant Man, p.e. – não deixar o público perceber.

    Confesso-me mais interessado na resolução do Donnie Darko… 😀

  3. pois, todos já percebemos que o lynch gosta de complicar a vida… mas dava jeito perceber, de vez em quando, aquilo que ele faz/quer dizer.

    donnie darko… pois é…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s