“No white man sings like Van Morrison”

Van Morrison faz parte de um tipo de músico que já não existe. Este natural de Belfast deixou-se influenciar pelo “soul” americano, R&B, pelas tradições célticas e pelo jazz. Tudo isso conjugado deu origem a uma dos mais únicos e verdadeiros músicos (e sons, porque não dizê-lo) do nosso tempo.

Líder da banda “Them”, que marcou a primeira metade da década de 60, é com “Moondance” (1970) que Van Morrison atinge o reconhecimento internacional. Temas como “Crazy Love”, “Into the Mystic”, “Moondance”, “Caravan” e “Come Running”, entre outras marcaram uma época.

Na transição entre os anos 70 e 80 passou por um problema devastador para qualquer músico: Medo dos palcos. O seu “stage fright” impediu-o de continuar a promover os seus álbuns para os milhares que se juntavam para o ver. Passou a actuar em pequenos clubes de jazz.

Porém, em 1990 teve de deixar esses medos para trás quando aceitou o convite de Roger Waters para integrar a equipa que pôs de pé a monstruosa actuação de “The Wall” no sítio onde antes estivera erguido o Muro de Berlim.

Van Morrison cantou Comfortably Numb, versão da faixa que Scorsese incluiu em “The Departed”.

Van Morisson marcou uma geração de singer-songwriters. Da sua lista de “influenciados” podemos encontra os U2, Bruce Springsteen, John Mellencamp, Jim Morrison, Rickie Lee Jones, Tom Petty, Elvis Costello, Thin Lizzy, Bob Seger, Jimi Hendrix, Jeff Buckley e, até, James Morrison.

Sendo, para mim, comparável na profundidade e brilhantismo das letras a Bob Dylan – será ele o Dylan Europeu? – Van Morrison é um dos nomes mais respeitados da música e um dos meus favoritos e é senhor de uma voz de meter respeito a qualquer um.

Como disse Greil Marcus, “no white man sings like Van Morrison.” E é mesmo. Ninguém canta com a alma patenteada por Van “The Man” Morrison.

“We were born before the wind
Also younger than the sun
Ere the bonnie boat was won as we sailed into the mystic
Hark, now hear the sailors cry
Smell the sea and feel the sky
Let your soul and spirit fly into the mystic”

Para ouvir:

 

E, assim, depois do último post vou ganhando, aos poucos, a credibilidade de outrora.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Cultura, Eclipses, Música. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s