Ingratidão Olímpica

Foi no dia em que Vanessa Fernandes conquistou a medalha de prata no triatlo, que Vicente Moura decidiu criticar alguns dos atletas portugueses. Principalmente, aqueles que deixaram os Jogos debaixo de um tecto de desculpas esfarrapadas.

Esta foi a comitiva olímpica mais bem trabalhada de sempre. Houve bolsas a todos os atletas e as condições melhoradas imenso para que eles (os atletas) pudessem competir sem sentir demasiadas diferenças em relação aos atletas de países mais fortes e com outra cultura desportiva.

Porém, aquilo a que vimos assistindo é a um coro de desculpas que, para além de revelarem alguma falta de educação e sentido de responsabilidade, não são condizentes com atletas de estatuto olímpico.

Reparemos na minha desculpa “favorita”. Marco Fortes, lançador de peso, culpou a manhã chinesa pelo seu fraco resultado em Pequim: “de manhã só é bom é na caminha, pelo menos comigo”, disse o atleta depois do seu lançamento e da sua eliminação dos Jogos Olímpicos.

Mas o atleta do Sporting não foi o único a arranjar desculpas para o seu fracasso. Jessica Augusto, atleta minhota, desistiu de correr os 5000 m porque “não vale a pena”: ” Agora vou de férias. Treinei para os 3000 obstáculos. Não vou aos 5000 metros. As africanas são fortes. Não vale a pena lutar contra elas. Elas correm para 14m11s e eu para 15m22s. Por isso…”

Pelo menos, não perdeu tempo por se deslumbrar com o estádio olímpico. Arnaldo Abrantes falhou  qualificação para a final dos 200 m e, em declarações aos jornalistas, culpou os nervos pela entrada no estádio: “Entrar neste estádio cheio bloqueou-me um pouco. Acabei a prova fresco, o que é estranho”, referiu.

Vânia Silva, no lançamento do martelo, esclareceu aos portugueses que “não é muito dada a este tipo de competições”, dando como exemplo os Olímpicos, Europeus e Mundiais. Fica a dúvida sobre que tipo de provas é que são boas para esta atleta.

Isto para não falar em alguns judocas, que criticaram a Federação e disseram não ter condições.

Ora, precisamente, condições como estes atletas tiveram mais ninguém teve na história de Portugal nos Jogos Olímpicos. Por isso, custa um pouco ouvi-los dizer que o importante é estar em Pequim, que as africanas são muito fortes e que de manhã está-se bem é na cama.

São declarações que pouco dignificam o desporto nacional e que reduzem a margem de manobra destes atletas para pedirem mais fundos para outras aventuras.

Conquistar o número de medalhas que a Espanha já ganhou é impossível. Porém, exigir aos nossos atletas uma participação e resultados ao mesmo nível de países mais parecidos connosco, como a Holanda, não me parece ser pedir demais.

Valha-nos que ainda temos uma Vanessa e, esperemos, um Nélson e uma Naide para o que aí vem – e o Gustavo Lima ainda está na luta, tal como o Emanuel Silva. É que os outros foram todos uma desilusão. E, alguns, ingratos. O pior do espírito olímpico.

Esta entrada foi publicada em Desporto, Diversos, Eclipses, Sociedade. ligação permanente.

6 respostas a Ingratidão Olímpica

  1. RM diz:

    Quem quiser ver o vídeo completo da prova de Triatlo de Vanessa Fernandes pode fazê-lo em:

    http://lugardoconhecimento.wordpress.com/2008/08/18/vanessa-fernandes-conquista-medalha-de-prata-em-pequim/

    RM

  2. Alexandre Carvalho diz:

    Por outro lado tivemos a demonstração de categoria de um grande campeão. Francis Obikwelu é um exemplo de humildade e de desportivismo. Vanessa Fernandes idem. Nélson e Naide (tal como os Gustavo Lima) têm todas as condições para trazer para portugal mais 3 medalhas. A estes atletas, portugal deve prestar a sua homenagem. Quanto aos outros… o futuro dirá o que lhes espera.

  3. Alexandre Carvalho diz:

    Acabei de ver em directo a Naide Gomes a ser eliminada de uma maneira bastante infantil…
    É triste…

    Abraço

  4. Bruno diz:

    Apesar dos resultados menos bons, quero deixar aqui um grande bem haja à Vanessa Fernandes, Francis Obikwelu, Gustavo Lima e em especial à Naide Gomes que é das melhores do mundo no salto em comprimento, e até aos melhores acontecem coisas más.

  5. Pingback: Um saco para uns, outro para os outros « O Eclipse

  6. sim, o obikwelu teve uma saída de respeito. mas, não foi ele quem disse que estava na melhor forma da carreira e que estava apontado para o ouro?

    se já sabia que não podia, não dizia nada. mas, pelo menos, foi humilde na hora do Adeus e, podemos dizer, em 2004 já tinha cumprido o seu serviço: a primeira medalha de Portugal numa prova de velocidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s