Vai trabalhar, mas é!

A recente (?) polémica em torno da questão da avaliação dos professores revela-se, mais uma vez, num caso em que todos ralham mas onde, invariavelmente, ninguém tem razão.

Desde que me lembro, as associações de pais e os próprios professores queixavam-se de que não havia uma avaliação dos docentes. A ideia por detrás desta reclamação era que uma classe avaliada, onde os melhores pudessem ser distinguidos dos piores, seria mais eficiente.

Tal como os alunos são avaliados para separar aqueles com melhores resultados dos outros, para efeitos de entrada na universidade, por exemplo, também se acreditava que em caso de a promoção/recompensa dos professores estar dependente da avaliação dos mesmos, e fazendo fé que os critérios de avaliação fossem equilibrados, os docentes revelar-se-iam mais empenhados na leccionação o que, pela ordem natural das coisas, poderia e deveria implicar um aumento no rendimento dos alunos.

No entanto, bastou que este governo falasse em avaliação para toda a classe se exaltar contra aquilo que, acreditam eles, ser a corrupção dos seus direitos mais do que assegurados, aproveitando a oportunidade para criticar a excessiva burocratização do sistema de avaliação proposto.

Aliás, os professores começaram logo por contestar a actual ministra quando se decidiu implementar as aulas de substituição – algo que já se tornou banal em todo o Mundo civilizado – dando aquela ideia chata de que quando se ameaça aumentar a carga de trabalho, os professores sentem vontade de vir para a rua fazer barulho.

E é isso que têm vindo a fazer nos últimos meses. Mesmo depois dos sindicatos que os representam terem chegado a acordo com a ministra, os professores voltaram este fim-de-semana para a rua, reclamando contra tudo e contra todos, defendendo-se dos “ataques” desferidos pelo Governo.

Os professores não querem a avaliação. Nem esta, por todos os defeitos que tenha, nem uma outra qualquer. Os professores não querem nada que possa colocar em causa a sua carreira e a certa progressão na mesma – qual o problema da progressão automática?

Aquilo que os professores querem é uma espécie de “evolução na continuidade”, em que se diz que se vai avaliar, que se vai ser rigoroso, mas na verdade apenas se altera o nome de uns departamentos, contratam-se novos “observadores” e fica tudo na mesma.

Portanto, e enquanto esta avaliação não for lei, os professores vão continuar a fazer barulho, a juntarem-se aos magotes nas grandes cidades e a despedirem-se da ministra com lenços brancos no Terreiro do Paço. Vão continuar a fazer figuras tristes, a achincalhar a sua profissão e a colocar-se numa posição ridícula perante os alunos.

Os professores já não percebem nada do que significa ensinar. Os professores querem é um horário das 9 às 17 e poucas chatices no caminho para casa. (In)Felizmente, o tempo das vacas gordas já passou. Agora, tal como todas  as outras pessoas, eles têm de trabalhar. E, ao fim do dia, é isso que chateia.

Esta entrada foi publicada em Política, Sociedade. ligação permanente.

9 respostas a Vai trabalhar, mas é!

  1. RPR diz:

    O Ricardo Arroja (portugalcontemporaneo.blogspot.com) escreveu há dias um post sobre este tema com um título semelhante, mandando trabalhar os professores. Acabou por recuar e pedir desculpa, porque foi enxovalhado em comentários de professores. Não sei se a intenção do teu título é a mesma da do dele, até porque ainda não li o texto😛 Mal tenha disponibilidade atiro-me a isto. Até já

  2. É no mínimo redutor olhar para 120.000 professores como um bando de mandriões que “já não percebem nada do que significa ensinar” e que “querem é um horário das 9 às 17 e poucas chatices no caminho para casa”.

  3. “Não sei se a intenção do teu título é a mesma da do dele, até porque ainda não li o texto”

    não. não li o texto do ricardo arroja. nem pretendo enxovalhar ninguém. só acho mais produtivo que as pessoas trabalhem em vez de andarem por aí aos saltos com cartazes a pedir a demissão da ministra. que trabalhem.

    “É no mínimo redutor olhar para 120.000 professores como um bando de mandriões”

    não são mandriões. a minha percepção, pura e simples, é que já chega de falar disto. já chega de protestar sobre isto. já chega de abrir os jornais com isto.
    antes do acordo com o governo, ainda se percebia – embora mal, mas pronto – por que motivo os professores estavam descontentes com isto ou aquilo. a partir do momento em que os sindicatos assinam os acordos – e depois são pressionados a voltar atrás – os próprios professores perderam a legitimidade que tinham em protestar. estavam à espera do quê? que a ministra fosse perguntar-lhes um-a-um o que acham melhor para o ensino?

    Depois, admito, estou farto de ver uma das classes mais priveligiadas da nossa sociedade sempre a reclamar. já chega. se ensinassem com o mesmo afinco com que reclamam, não tínhamos estes resultados na educação quando comparados com a UE.

    muito mais razões para fazer barulho têm os militares, mas não podem.

  4. PR diz:

    «não são mandriões»

    Não é isto que se depreende do texto.

    «Depois, admito, estou farto de ver uma das classes mais priveligiadas da nossa sociedade sempre a reclamar. já chega. se ensinassem com o mesmo afinco com que reclamam, não tínhamos estes resultados na educação quando comparados com a UE.»

    E a isto eles podem responder que se tivessem alunos como os da UE podiam ter resultados como os da UE.
    Ou que se tivessem o grau de autonomia que os professores da suécia, dinamarca ou bélgica têm, teriam os resultados da suécia, da dinamarca e da bélgica.

  5. Pingback: Estado de Previdência » A educação do umbigo deles | Blogue

  6. “E a isto eles podem responder que se tivessem alunos como os da UE podiam ter resultados como os da UE.”

    os alunos portugueses são mais estúpidos do que os da UE?

    “Ou que se tivessem o grau de autonomia que os professores da suécia, dinamarca ou bélgica têm, teriam os resultados da suécia, da dinamarca e da bélgica.”

    Se calhar, o problema é que passam demasiado tempo na rua a protestar ou em casa a pensar em cartazes e trocadilhos engraçados para insultar a ministra. Depois, para preparar as aulas, o tempo é pouco e mandam-se os putos decorar umas coisas em casa.

  7. PR diz:

    «os alunos portugueses são mais estúpidos do que os da UE?»

    Segundo os números da OCDE, são dos que menos estudam em termos de horas/semana. Segundo o que vemos todos os dias, são os únicos na Europa que podem bater a um professor sem serem expulsos da escola. Isto aconselha alguma prudência na leitura dos «resultados na educação quando comparados com a UE»

    «Se calhar, o problema é que passam demasiado tempo na rua a protestar ou em casa a pensar em cartazes e trocadilhos engraçados para insultar a ministra. Depois, para preparar as aulas, o tempo é pouco e mandam-se os putos decorar umas coisas em casa»

    Lamento, mas não respondeste à objecção. Na Suécia, alterar a burocracia da escola exige um debate interno. Em Portugal, a centralização do sistema de ensino obriga a fazer uma revolução nacional de cada vez que se quer mudar um item da avaliação. Se calhar é exactamente por isso que têm de gritar tanto.

  8. Estamos a afastar-nos daquilo que é mais importante e que me levou a escrever o texto: os professores já protestaram que chegasse, os sindicatos já chegaram a acordo com o Governo – tendo, entretanto, rasgado o mesmo acordo – e já está na hora de as aulas voltarem à normalidade.

    não digo que esta é a melhor avaliação do Mundo, nem que temos a melhor política educativa. o que digo é que já não há paciência para os protestos dos professores, principalmente quando todos sabemos que eles não são, de todo, os que têm mais razões para vir para a rua protestar.

  9. jrocha diz:

    Nunca ouvi dizer em nehum orgão de comunicação social, que na Olanda, Dinamaca, ou Belgica e outros, os pais dos alunos desses países fossem ás escolas agredir professores por estes chamarem à atenção para disciplina na escola, ou porque os filhos tenham maus resultados. Segundo uma criança que não receba educação pela familia em em casa, como pode receber instrução de um Professor? Se uma criança é rebelde não tem disciplina na escola e ainda tem o apoio dos pais, quando os professores a chamam à atenção, então nunca mas nunca receberá educação, nem prmite que na sua sala outros a recebam. Como se faz com essas crianças que se julgam acima de tudo e todos? Os pais não educam os filhos, e não permitem que os professores lhes digam uma palavra mais alta para os chamar à atenção, Como se dá instrução a uma criança dessas? Ninguém mas mesmo ninguém consegue receber instrução, se não tem educação, e se os pais não permitem que os professores lha deiam, não podem mesmo chegar a lado nenhum, A missão dos professores é dar instrução e obrigar a que crianças rebeldes permitam que essa instrução seja dada a todos. Aos pais cabe a resposabilidade (para quem a tiver) dar educação aos filhos para que tenham respeito pelos outros na escola. Aos pais das crianças, devia ser, e um dia terá que ser, proibida a entrada na escola dos filhos, sem autorização previa do professor ou conselho directivo. Os pais, tutores, ou alguém por estes nomeado, deviam ser obrigados a comparecer na escola quando convocados pelo professor ou conselho directivo, para prestar esclarecimentos que sejam nescessarios ácerca dos filhos, enteados,ou a cargo, sobe pena de uma multa a estabelecer, sempre que a falta não fosse justificada em tempo util. Com isto só quero dizer que onde não há regras, não há progresso, não há reponsabilidade, não há educação e assim é impossible dar instrução.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s